Salmo 103

Hino à bondade de Deus
De Davi.

Bendize, ó minha alma, ao SENHOR, e tudo o que há em mim bendiga o seu santo nome.
Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios.
Ele é o que perdoa todas as tuas iniqüidades, que sara todas as tuas enfermidades,
Que redime a tua vida da perdição; que te coroa de benignidade e de misericórdia,
Que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia.
O Senhor faz justiça e juízo a todos os oprimidos.
Fez conhecidos os seus caminhos a Moisés, e os seus feitos aos filhos de Israel.
Misericordioso e piedoso é o Senhor; longânimo e grande em benignidade.
Não reprovará perpetuamente, nem para sempre reterá a sua ira.
Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos recompensou segundo as nossas iniqüidades.
Pois assim como o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem.
Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões.
Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem.
Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó.
Quanto ao homem, os seus dias são como a erva, como a flor do campo assim floresce.
Passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não será mais conhecido.
Mas a misericórdia do Senhor é desde a eternidade e até a eternidade sobre aqueles que o temem, e a sua justiça sobre os filhos dos filhos;
Sobre aqueles que guardam a sua aliança, e sobre os que se lembram dos seus mandamentos para os cumprir.
O Senhor tem estabelecido o seu trono nos céus, e o seu reino domina sobre tudo.
Bendizei ao Senhor, todos os seus anjos, vós que excedeis em força, que guardais os seus mandamentos, obedecendo à voz da sua palavra.
Bendizei ao Senhor, todos os seus exércitos, vós ministros seus, que executais o seu beneplácito.
Bendizei ao Senhor, todas as suas obras, em todos os lugares do seu domínio; bendize, ó minha alma, ao Senhor.
Salmos 103:1-22

103.1-22 O SENHOR é bondoso. Todo este salmo destaca o Deus muito amoroso que temos (v. 8), e nos ajuda a louvá-lo com todo o nosso ser e com todas as nossas forças.
103.1-2 que todo o meu ser te louve. No original hebraico Davi diz para a sua própria alma que esta se dedique a louvar ao Senhor. O desejo de Davi, de louvar a Deus a cada momento, pode também brotar em nossas almas. Temos grandes motivos para louvar a Deus e a Jesus Cristo, e podemos fazê-lo de corpo e alma, sempre e agradecendo pelas bênçãos recebidas. É muito importante que o povo de Deus promova cultos de louvor e gratidão, nos incentivando a lembrar das tantas bênçãos que temos recebido (como descrevem os próximos versos).
103.3 O SENHOR perdoa todos os meus pecados. Aceitar essa condição de pecador que é perdoado por Deus é a chave da felicidade (veja Rm 4.7, nota, e Sl 32.1-2). Jesus também revelou essa autoridade e disposição para perdoar pecados (Mt 9.6). cura todas as minhas doenças. Além de perdoar os nossos pecados, Deus nos abençoa com saúde e vida, e quer que tenhamos vida abundante (Jo 10.10). Com a nova aliança, feita através de Jesus, fica mais claro que às vezes Deus não remove uma doença, mas mesmo nesses casos ele está junto e operando seus bons propósitos (veja 2Co 12.7-10, notas).
103.4-5 me abençoa com amor e bondade. Outras traduções trazem “graça e misericórdia”. Essa qualidade do amor de Deus é do que mais precisamos. O perfeito louvor é oferecido por quem sabe que sempre é pecador. assim eu continuo jovem e forte como a águia. Na presença de Deus, recebendo misericórdia, perdão e bênçãos, todos podemos nos sentir jovens e fortes.
103.6 O SENHOR julga a favor dos oprimidos. Às vezes a vida impõe cargas acima de nossas forças. Aqui Davi manifesta que o caráter de Deus é favorável aos pobres e excluídos da sociedade. Também é verdade que toda pessoa está sujeita a passar por situações difíceis: quando você se sentir oprimido e sobrecarregado, recorra a quem realmente pode lhe socorrer. Deus enviou Jesus Cristo ao mundo para aliviar o sofrimento humano e lhe garantir a paz: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso” (Mt 11.28). e garante os seus direitos. Que nós nos coloquemos do mesmo lado que Deus, a favor dos que têm seus direitos negados ou explorados (portanto, contra os que os oprimem).
103.7 deixou que o povo de Israel visse os seus feitos poderosos. Uma das maiores bênçãos é quando Deus permite que vejamos sua ação, como aconteceu quando os hebreus foram libertos da escravidão egípcia.
103.8-9 bondoso e misericordioso. Deus, que se encarnou em Jesus Cristo, vivenciou todos os sentimentos e emoções humanas e assim compreende perfeitamente a fraqueza humana, e nos ama com perfeição. Ele não vive nos repreendendo. O que nele predomina é a misericórdia e a extrema bondade, sempre oferecendo o ombro consolador aos que necessitam de seu apoio. Que nós também nos inspiremos a não nos focarmos tanto em repreender os erros, mas em ter compaixão com a imaturidade, como um pai amoroso faz para com seus filhos (v. 13).
103.10-12 O SENHOR não nos castiga como merecemos. A figura de um Deus irado vigiando-nos por entre as nuvens, atento aos nossos pecados para castigá-los, perde a validade diante dos ensinos preciosos deste salmo. Aquela figura de deus é um mito irreal. O verdadeiro Deus encarnado na pessoa de Jesus Cristo é misericordioso e cheio de um amor infinitamente grande para quem o respeita. É verdade que todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus, mas a misericórdia divina é tão ampla que resolveu derramar a sua Graça a fim de remover os pecados de todos que nele acreditam. Os que são perdoados dos seus pecados precisam entender que os pecados já foram pagos por Cristo na cruz, e por isso nunca mais lhes serão cobrados. Veja 1Jo 1.7—2.2, notas.
103.13 Como um pai trata com bondade os seus filhos. Assim como pais e mães tratam seus filhos com amor e bondade, procurando reservar o melhor para eles, assim também faz Deus. Tudo que um pai realiza e ensina fica de herança para seus filhos. De igual modo, os que creem na bondade de Deus receberão em vida todos os cuidados do Pai do Céu e no futuro herdarão as maravilhas e riquezas celestiais que lhes estão reservadas desde a fundação do mundo.
103.14-16 pois ele sabe como somos. Deus, nosso criador, conhece a nossa constituição (veja Sl 139.13-15). Diante do criador e da imensa criação, o ser humano é infinitamente pequeno e a sua existência é passageira, de pouca duração; daí as expressões: “somos pó” e “a flor desaparece, e nunca mais ninguém vê”. Diante dessa verdade, é mais sábio abandonar o orgulho e a vaidade e viver de modo simples envolvendo-se com as coisas que possuam valores eternos. De acordo com a máxima reveladora de Jesus Cristo sobre a vida: “ajuntem riquezas no céu, onde as traças e a ferrugem não podem destruí-las, e os ladrões não podem arrombar e roubá-las” (Mt 6.20). O pouco tempo que a pessoa tem aqui na terra pode ser melhor aproveitado na construção de realizações espirituais e sociais.
103.17 Mas o amor de Deus. Se olhássemos para os vs. 15-16 isoladamente, poderíamos desesperar sobre nossa vida. O salmista mostra que olhar para a vida humana é melhor feito a partir do amor de Deus: ele é maior do que nossa pequena vida e suas alegrias e tristezas, e esse amor passa de Pai para filho. Assim nossa vida e sua fragilidade são abraçadas pelo amor e pela eternidade de Deus. Esta é a visão de ser humano que a Bíblia quer nos passar, numa antropologia teológica que também serve de marco para o aconselhamento centrado na Bíblia: nunca a fragilidade humana é a última palavra sobre o humano; esta sempre pertence a Deus. Veja também o quadro “Meditando nos Salmos” (Sl 3).
103.18 para aqueles que guardam a sua aliança. Esta realidade Davi viveu, e declarou-a como um pacto de fidelidade recíproca entre Deus e os seus servos. O seu filho, o sábio Salomão, recebeu-a como herança espiritual e a registrou em seus provérbios: “Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não se desviará dele.” (Pv 22.6). Os que obedecem com fidelidade aos mandamentos do Senhor e os ensinam a seus descendentes são transformados em tesouros preciosos de sabedoria que passam de geração a geração. Com a nova aliança em Jesus, esse estilo de vida ganha ainda uma nova dimensão.
103.19-22 ele é Rei e domina tudo. Davi alinha este cântico com os Salmos 93 a 99, contendo a mais rica revelação sobre Deus e seu Messias — o Filho de Deus, Rei merecedor de honra, glória e louvor por todas as criaturas, e conclui com a mesma chamada do início: que nossa alma — e assim todo o nosso ser — louve ao Senhor. Veja o quadro “Salmos Reais e Messiânicos” (Sl 22).

Deixe uma resposta