Preces pela mãe morta – De Santo Agostinho.

Agora, com a ferida do meu coração já sanada, na qual se podia censurar um afeto muito
carnal, derramo diante de ti, meu Deus, por tua serva, outra espécie de lágrimas, bem diferentes,
aquelas que brotam do espírito comovido à vista dos perigos que corre toda alma que morre em
Adão. É verdade que minha mãe, vivificada em Cristo, antes mesmo de ser livre dos laços da
carne, viveu de tal modo, que teu nome era louvado em sua fé e em seus costumes. Contudo, não
me atrevo a dizer que desde que a regeneraste no batismo não saiu de sua boca nenhuma
palavra contrária à tua lei. Porque a Verdade, que é teu Filho, disse: “Quem chamar a seu irmão
de louco será réu do fogo da geena”. Ai da vida dos homens, por mais louvável que seja, se tu a
julgares sem a tua misericórdia! Mas porque não examinas nossos pecados com rigor,
confiadamente esperamos tomar lugar a teu lado. Quem enumera diante de ti seus próprios
méritos, que mais expõe senão teus dons? Oh! Se os homens se reconhecessem como homens!
Se quem se glorifica se glorificasse no Senhor!

Por isso, Deus de meu coração, minha vida e minha gloria, esquecendo por um momento
as boas ações de minha mãe, pelas quais te dou graças com alegria, peço-te agora perdão por
seus pecados. Ouve-me pelos méritos daquele que é o médico de nossas feridas, que foi
suspenso do madeiro da cruz e que, sentado agora à tua direita, intercede por nós junto a ti. Eu
sei que ela sempre agiu com misericórdia, e que perdoou de coração todas as faltas contra ela
cometidas; perdoa-lhe também suas dívidas, se algumas contraiu em tantos anos que se
seguiram ao batismo. Perdoa-lhe, Senhor, perdoa-lhe, te suplico, e não entres em juízo com ela.
Triunfe a misericórdia sobre a justiça pois as tuas são palavras de verdade, e prometeste
misericórdia aos misericordiosos. Se alguém o foi, deve-o à tua graça, tu que tens compaixão de
quem te apraz, e usas de misericórdia com quem queres ser misericordioso.

Creio que já fizeste o que te suplico, mas desejo, Senhor, que acolhas os desejos de
minha boca. Estando iminente o dia de sua morte, ela não desejou sepultar o corpo com grande
pompa, ou que fosse embalsamado com preciosos aromas, nem desejou um rico monumento,
nem se preocupou em tê-lo na pátria. Nada disto nos pediu, mas desejou apenas que nos
lembrássemos dela ante do teu altar, onde servira todos os dias de sua vida, sabendo que nele se
oferece a vítima santa, com cujo sangue se destrói o libelo de nossa condenação, e pelo qual
vencemos o inimigo que conta nossas faltas e procura com que nos acusar, nada achando
naquele que é nossa vitória.

Quem poderá devolver-lhe seu sangue inocente? Quem poderá restituir-lhe o preço pago
por nosso resgate, para nos arrancar ao inimigo? A este mistério de nossa redenção ligou tua
serva sua alma com o vínculo da fé. que ninguém a afaste de tua proteção. Que entre ela e ti não
se interponha, nem pela força, nem pelo engano, o leão ou o dragão. Ela não responderá que
nada deve, para não ser convencida e arrebatada pelo astuto acusador, responderá que suas
dívidas lhe foram perdoadas por aquele a quem ninguém pode restituir o que por nós pagou sem
nada dever.

Que ela repouse em paz com seu marido, antes e depois do qual não teve outro; a quem
serviu, com uma paciência cujo fruto te oferecia, para o ganhar também para ti. Mas inspira, meu
Senhor e meu Deus, inspira a teus servos, meus irmãos, a teus filhos, meus senhores, a quem
sirvo de coração, com a palavra e com a pena, para que, ao lerem estas páginas, diante do teu
altar lembrem de Mônica, tua serva, e de Patrício, outrora seu esposo, pelos quais me introduziste
misteriosamente nesta vida. Que lembrem com piedoso afeto daqueles que foram meus pais
nesta vida transitória, e meus irmãos em ti, ó Pai, na Igreja Católica, nossa mãe, e meus
concidadãos na eterna Jerusalém, pela qual suspira teu povo em sua peregrinação desde a saída
até o regresso. Assim, graças às minhas confissões, o último desejo de Mônica será mais
amplamente satisfeito com muitas orações do que só pelas minhas.

Deixe uma resposta