Cânticos 5

Meditação sobre o Livro dos Cânticos 5 ou Cantares 5

Já entrei no meu jardim, minha irmã, minha esposa; colhi a minha mirra com a minha especiaria, comi o meu favo com o meu mel, bebi o meu vinho com o meu leite; comei, amigos, bebei abundantemente, ó amados.
Eu dormia, mas o meu coração velava; e eis a voz do meu amado que está batendo: abre-me, minha irmã, meu amor, pomba minha, imaculada minha, porque a minha cabeça está cheia de orvalho, os meus cabelos das gotas da noite.
Já despi a minha roupa; como a tornarei a vestir? Já lavei os meus pés; como os tornarei a sujar?
O meu amado pôs a sua mão pela fresta da porta, e as minhas entranhas estremeceram por amor dele.
Eu me levantei para abrir ao meu amado, e as minhas mãos gotejavam mirra, e os meus dedos mirra com doce aroma, sobre as aldravas da fechadura.
Eu abri ao meu amado, mas já o meu amado tinha se retirado, e tinha ido; a minha alma desfaleceu quando ele falou; busquei-o e não o achei, chamei-o e não me respondeu.
Acharam-me os guardas que rondavam pela cidade; espancaram-me, feriram-me, tiraram-me o manto os guardas dos muros.
Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, que, se achardes o meu amado, lhe digais que estou enferma de amor.
Que é o teu amado mais do que outro amado, ó tu, a mais formosa entre as mulheres? Que é o teu amado mais do que outro amado, que tanto nos conjuras?
O meu amado é branco e rosado; ele é o primeiro entre dez mil.
A sua cabeça é como o ouro mais apurado, os seus cabelos são crespos, pretos como o corvo.
Os seus olhos são como os das pombas junto às correntes das águas, lavados em leite, postos em engaste.
As suas faces são como um canteiro de bálsamo, como flores perfumadas; os seus lábios são como lírios gotejando mirra com doce aroma.
As suas mãos são como anéis de ouro engastados de berilo; o seu ventre como alvo marfim, coberto de safiras.
As suas pernas como colunas de mármore, colocadas sobre bases de ouro puro; o seu aspecto como o Líbano, excelente como os cedros.
A sua boca é muitíssimo suave; sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, e tal o meu amigo, ó filhas de Jerusalém.
Cânticos 5:1-16

Reflexão

Eu havia dito no capítulo anterior que como era bom receber aquele benigno convite da amada para entrar em seu jardim que destila os aromas do amor para nele comermos e os seus excelentes frutos e saciarmos nossa fome e sede dando glórias a Deus que tudo faz tão bem e agora começa o capítulo 5 com ele, o esposo, entrando no jardim da amada.

Primeiramente foi o convite dela o qual foi feito de forma suave e doce para atrair como a flor atrai as abelhas para sugarem seu néctar e serem polinizadas e assim espalharem seus pólens (do grego “pales” = “farinha” ou “pó”) em outras flores e assim fecundá-las.

Ele aguardou pacientemente e no sinal da sua amada, finalmente, ele diz para ela que já entrou e a chama de esposa e de irmã. Não somente a mulher é reconhecida como sua mulher com a qual se embriagará em amores, mas também a chama de amiga porque com ela não somente juntará os corpos, mas dividirá a alma e os pensamentos, em profunda comunhão.

Em seguida, então, ele colhe a sua mirra com a sua especiaria, come do seu favo com o seu mel, e bebe o seu vinho com o seu leite. Finaliza o primeiro versículo depois incentivando seus amigos a se banquetearem juntamente com ele, obviamente cada um no jardim de sua amada, conforme o convite de cada uma. Tanto o colher, como o comer e o beber estão relacionados ao ato amoroso em forma de ilustrações.

Ela ainda está sonhando com esse momento de união íntima onde não somente sua relação com o seu amado será consumada, mas também aprovada pela família, pelos amigos, pela sociedade e, principalmente, por Deus.

Entre os versos 2 e 8, o sonho da jovem se transforma em um terrível pesadelo onde seu jovem esposo desaparece e ela passa a procura-lo freneticamente pelas ruas da cidade.

No verso 8, ela confessa as amigas que está tonta, enferma de amor e a fuga ou o pesadelo que ela tem com seu amado desaparecendo é porque ainda ela não pode concluir seus desejos profundos, mas seu corpo todo respira esse desejo e ela não vê a hora de concretizá-los junto com o amado de sua alma.

Como é lindo o amor e a linguagem dele para comunicar a intensidade e a força presentes em nossos corpos que ao simples toque ou passar perto do amado/amada faz nosso ser se estremecer e se arrepiar provocando ondas que vai e vêm em formas de desejos que a imaginação voa bem alto.

Fonte: http://www.jamaisdesista.com.br/

Belíssima canção católica inspirada na livro bíblico de Cântico dos Cânticos ou Cantares. É um verdadeiro HINO AO AMOR Ágape.

Título Original: “Ma toute Belle” da banda Gen Rosso

Composição: Nino Mancuso

Deixe uma resposta