Cânticos 4

Meditação sobre o Livro dos Cânticos 4 ou Cantares 4

Eis que és formosa, meu amor, eis que és formosa; os teus olhos são como os das pombas entre as tuas tranças; o teu cabelo é como o rebanho de cabras que pastam no monte de Gileade.
Os teus dentes são como o rebanho das ovelhas tosquiadas, que sobem do lavadouro, e das quais todas produzem gêmeos, e nenhuma há estéril entre elas.
Os teus lábios são como um fio de escarlate, e o teu falar é agradável; a tua fronte é qual um pedaço de romã entre os teus cabelos.
O teu pescoço é como a torre de Davi, edificada para pendurar armas; mil escudos pendem dela, todos broquéis de poderosos.
Os teus dois seios são como dois filhos gêmeos da gazela, que se apascentam entre os lírios.
Até que refresque o dia, e fujam as sombras, irei ao monte da mirra, e ao outeiro do incenso.
Tu és toda formosa, meu amor, e em ti não há mancha.
Vem comigo do Líbano, ó minha esposa, vem comigo do Líbano; olha desde o cume de Amana, desde o cume de Senir e de Hermom, desde os covis dos leões, desde os montes dos leopardos.
Enlevaste-me o coração, minha irmã, minha esposa; enlevaste-me o coração com um dos teus olhares, com um colar do teu pescoço.
Que belos são os teus amores, minha irmã, esposa minha! Quanto melhor é o teu amor do que o vinho! E o aroma dos teus ungüentos do que o de todas as especiarias!
Favos de mel manam dos teus lábios, minha esposa! Mel e leite estão debaixo da tua língua, e o cheiro dos teus vestidos é como o cheiro do Líbano.
Jardim fechado és tu, minha irmã, esposa minha, manancial fechado, fonte selada.
Os teus renovos são um pomar de romãs, com frutos excelentes, o cipreste com o nardo.
O nardo, e o açafrão, o cálamo, e a canela, com toda a sorte de árvores de incenso, a mirra e aloés, com todas as principais especiarias.
És a fonte dos jardins, poço das águas vivas, que correm do Líbano!
Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; assopra no meu jardim, para que destilem os seus aromas. Ah! entre o meu amado no jardim, e coma os seus frutos excelentes!
Cânticos 4:1-16

Reflexão

As delícias do amor se vêem por todo o livro e aqui no capítulo 4, o esposo e a esposa, ambos, estão embriagados pelo amor. Ele está encantado com ela e com sua formosura e faz comparações dela e de partes de seu formoso corpo com valores da época. Ele não quer deixar escapar nenhum detalhe e particularidade sua e se deixa extravasar.

Como é lindo o amor! Como é bom se deixar levar. Como é bom sentir o outro e se deliciar, dia após dia com suas carícias sem fim. Como é bom tocar e ser tocado na sua intimidade pelo outro que está ali sendo bênção de Deus. Nossa consciência aprova. Nosso corpo se derrete, gememos e nos estremecemos dando glórias a Deus.

No entanto, tem muita gente que imagina que crente não ama ou que fica num estado de torpor mental com medo de outras mulheres e homens de até cair em tentação. Estes imaginam que estamos somente proibindo coisas e auto negando outras na tentativa de fugir dos olhos severos de um deus que não conhecemos.

Ao contrário do que muita gente pensa, nós – os crentes – é que somos os verdadeiros amantes e que sentimos as coisas melhores e mais profundas do que qualquer profissional do sexo ou amante de todos os homens ou de todas as mulheres. Quem se entrega irresponsavelmente ao sexo, ainda que na masturbação, não é sábio, não há prazer, antes puro egoísmo.

Na verdade, ele também irá sentir coisas e se alegrar, mas acabando o feito, onde estará sua consciência participando disso? Não, ele está só! Até fazendo junto com um e com outra, ele ainda continua só. O outro apenas foi o seu repositório ou seu instrumento de satisfação momentânea e triste.

Fomos feitos à imagem e à semelhança de Deus e somente em Deus é que iremos ser completos em nós mesmos. Não adianta pegarmos nossos corpos e os transformarmos em instrumento do pecado que não alcançaremos satisfação plena que somente se encontra em Deus.

Há homens e religiões que privam os outros até do casamento como desculpa de estarem buscando a Deus. vejam um trecho pequeno de Paulo aos Timóteo:

I Timóteo 4:1 Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
I Timóteo 4:2 Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
I Timóteo 4:3 Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
I Timóteo 4:4 Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.
I Timóteo 4:5 Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada.

Fonte: http://www.jamaisdesista.com.br/

Belíssima canção católica inspirada na livro bíblico de Cântico dos Cânticos ou Cantares. É um verdadeiro HINO AO AMOR Ágape.

Título Original: “Ma toute Belle” da banda Gen Rosso

Composição: Nino Mancuso

Deixe uma resposta