Janela

JANELA

De minha janela
vejo a velha árvore
que chove folhas
amarelo-ouro

quando o vento
abraça seus galhos
enquanto desenho

nuvens azuis
ouvindo o triste
lamento da cigarra.
De minha janela

te procuro nas luas
nas flores do jardim
nos livros, nas canções

nas ondas verdes do mar.
Lembranças soltas
nos poemas que escreveu
no sorriso que deixou

no perfume que ficou
na saudade que restou!

Verluci Almeida

One thought on “Janela”

Deixe uma resposta